E agora, Tião?

Presidente do PSL divulga áudios que ‘provam’ edição em conversa telefônica com assessor de Tião Bocalom

ANUNCIE AQUI

redacao@diariodoacre.com.br

O presidente estadual do PSL, Pedro Valério de Araújo, divulgou neste sábado (13) dois áudios feitos a partir de uma conversa telefônica que teve com o assessor do ex-prefeito Tião Bocalom, Valter José, o “Valtim”. Postadas na rede social Facebook, as gravações têm a mesma origem, mas tempos desiguais. Prova de que o diálogo teria sido editado para convencer os demais membros da executiva do PSL de que Valério estaria de acordo com a proposta de adesão do partido ao governo de Gladson Cameli, conforme a denúncia.

Apontada como sendo a íntegra da conversa com Valtim, a gravação tem duração de 3 minutos e 18 segundos. Já o áudio que ele afirma ter sido editado a mando de Bocalom, apenas 28 segundos.

Valério acusa Bocalom de tentar levar o PSL a apoiar Cameli/Internet

Neste segundo áudio, o trecho retirado do contexto passa a impressão de que Pedro Valério estaria, de fato, inclinado a negociar cargos com Cameli.

“Se o Gladson dissesse ‘não, eu quero o apoio do PSL’, vamos sentar e chamar o deputado que vai votar, chamar a comissão executiva, chamar os dois líderes (do partido), Ulysses e Bocalom, e aí discutir: ‘governador, o senhor quer nosso apoio, tá, mas o que é que o partido vai receber de volta? Qual o espaço que o partido vai ter no governo?’”, diz Valério a Valtim.

Já na gravação que Valério afirma ser a original, o tom da conversa é bem diferente. Ele questiona a oferta de apoio do PSL ao governo sem nem ter havido uma demonstração de interesse por parte do governador. “Vocês não estão pensando nas consequências da decisão de vocês”, diz Valério, antes de criticar o que chama de ‘um governo recheado de petistas’.

“Eu acho que pegar uma secretaria e o governo, se dando mal, e a gente ir junto com ele pro buraco, é melhor não pegar nada”, argumenta.

Alvo das denúncias, Bocalom deu entrevista desmentindo as acusações/Internet

Ainda sobre a gestão estadual, o dirigente do PSL sugere a Valtim que olhe os comentários nas redes sociais com as muitas críticas ao PSL, após o anúncio de uma possível guinada política.

Sobre a possibilidade de aliança com Gladson, Valério diz ainda se tratar de uma ação “suicida”. “O governo está se acabando, cheio de petistas e um descrédito generalizado”, afirma.

Caso de polícia

Na manhã da última sexta-feira (12), acompanhado do advogado Armison Lee, Pedro Valério esteve na Delegacia de Polícia do 4º Distrito, no Bosque, para registrar queixa-crime contra Tião Bocalom, a quem acusa de injúria, difamação, calúnia e fraude. Além disso, ele também anunciou que pedirá a expulsão do ex-prefeito do partido.

Na postagem em que expôs os áudios, Valério escreveu o seguinte: “Fui vítima de um ato criminoso praticado pelo Bocalom e seu comparsa Valtim José. Eles editaram um áudio de uma conversa que mantive com o Valtim onde passei 3’18” combatendo a venda do PSL em troca de cargos no Governo do Estado. Fizeram dois cortes no áudio pra dar sentido contrário ao que eu estava falando. Bocalom usou o áudio (produto da fraude) para me atacar numa entrevista que concedeu à repórter Angélica Paiva. Veja (sic) o áudio que ele apresentou na entrevista e compare com o original e constate a fraude”.

Devido ao horário em que a matéria foi concluída, a reportagem do Diário do Acre não conseguiu ouvir Tião Bocalom. O espaço, porém, está assegurado caso queira se defender das acusações de Pedro Valério.

Ouças as gravações: